História do BrasilSantidades

Moderador: [ Moderadores TTB ]

Avatar do usuário
Autor do Tópico
Estudioso
sênior
Mensagens: 24
Registrado em: Ter 16 Abr, 2019 00:13
Última visita: 02-05-21
Jan 2021 18 19:35

Santidades

Mensagem não lida por Estudioso »

Leia,atentamente, o trecho a seguir:

"As Santidades professavam a chegada de um tempo sem mal e, à medida que avançava a colonização, tornaram-se claramente antilusitanas em seu espírito, metamorfoseando-se em numa espécie de rebelião de traço anticolonial."

O caso das Santidades, apresentado por Schwarcz e Starling, expressa - com enorme significado simbólico - o processo mais amplo da mestiçagem, inerente ao expansionismo colonial português na América.

Sobre esse caso, é correto afirmar que se trata de:

a) um fenômeno que expressa, pura e simplesmente, a dominação colonial portuguesa.
b) um fenômeno exclusivamente cultural, fruto do contato relativamente pequeno entre diferentes cosmogonias.
c) uma imposição da violência católica já prevista nos regulamentos jesuítas dos primórdios da colonização.
d) um fenômeno no qual a resistência sociocultural indígena se mistura com traços do colonialismo e do catolicismo, contra os quais se pretendia opor.




Avatar do usuário
Zhadnyy
4 - Sabe Tudo
Mensagens: 2006
Registrado em: Sex 01 Nov, 2019 11:04
Última visita: 25-11-21
Contato:
Abr 2021 04 15:40

Re: Santidades

Mensagem não lida por Zhadnyy »

Veja esse trecho
Enquanto os colonos, o clero e a Coroa discutiam sobre a melhor forma de conduzir a questão indígena, os nativos tentaram, de várias maneiras, resistir à dominação portuguesa. Uma forma de resistência indígena, conhecida pelo nome de Santidade, ocorreu inicialmente em São Vicente, em 1551, ganhando força em Ilhéus e no Recôncavo baiano, no final do século XVI. Oprimidos pelas ações dos jesuítas e dos colonos, os índios usaram como forma de resistência os próprios símbolos de seus dominadores, os símbolos da religião católica, seus rituais e figuras. Elaboraram um culto sincrético e messiânico, misturando suas crenças e ritos aos da religião católica e dando origem, assim, a um novo culto religioso, a Santidade.

Para Stuart Schwartz, "o culto da Santidade parece ter sido uma combinação da crença dos tupinambás em um paraíso terrestre com a hierarquia e os ícones do catolicismo. Centrava-se em ídolos feitos de cabaças ou pedras, dos quais se dizia possuírem poderes sagrados. Em honra aos santos entoavam novos cânticos e realizavam cerimônias que podiam durar dias a fio e onde se consumia grande quantidade de bebida alcoólica e infusões de tabaco. Aparentemente esses rituais visavam a introduzir transes catatônicos nos participantes."

Os nativos adotaram os símbolos e a hierarquia da Igreja Católica. Seus líderes proclamavam-se "papas", que nomeavam "bispos" e também enviavam "missionários" para difundir o culto e pregar a resistência contra os portugueses. Rezavam usando um terço, colocavam tábuas sagradas, como símbolos, em suas igrejas localizadas nas propriedades dos senhores. Nelas instalavam um ídolo ao qual chamavam de Maria. Alguns senhores de engenho, como, por exemplo, Fernão Cabral de Ataíde, aderiram ao movimento e permitiram a celebração desses rituais em suas fazendas, motivo pelo qual foram perseguidos pelas autoridades da Coroa.

No período entre 1560 e 1627, a Santidade sobreviveu no sul da Bahia. Índios, e mais tarde negros escravos africanos ou crioulos fugidos, uniam-se em operações militares contra os povoados habitados por portugueses, especialmente contra as plantações de cana-de-açúcar e os engenhos do sul do Recôncavo. Assim, tornavam-se cada vez mais ameaçadores e temidos.

Conforme o relato do Governador Diogo de Menezes, em 1610, havia mais de 20 mil índios e escravos fugidos nas aldeias, onde ainda se praticava a nomeação de "bispos e papas". Com o exacerbamento dessa situação, a Metrópole, em 1613, agiu mais drasticamente. Declarou uma guerra de extermínio a essas aldeias, devolvendo os fugitivos aos seus donos e vendendo os índios como escravos para outras capitanias.

A ação portuguesa foi vitoriosa, apesar de até o século XVIII haver notícias de guerra entre os colonos e os índios, especialmente no interior da Bahia. A última referência específica sobre a Santidade data de 1627, quando um bando atacou o engenho de Nicolau Soares, matando escravos, saqueando a propriedade e levando os índios ali residentes
a) falso. não expressa apenas a dominação colonial portuguesa, mas também a forma de reagir dos indígenas
b) cosmogonia é uma palavra que possui significado semelhante com religião. obviamente é uma alternativa falsa: milhares de povos que nunca haviam se visto, misturaram-se, dando origem ao período colonial
c) falso. a santidade era uma espécie de resistência indígena
d) verdadeiro, conforme apresentado no trecho



俺 に 勝てる の 和 俺 だけ だ - Aomine

Responder

Voltar para “História do Brasil”