RedaçãoDoação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções (Avaliem)

Moderador: [ Moderadores TTB ]

Autor do Tópico
Auto Excluído (ID:19989)
5 - Mestre
Última visita: 31-12-69
Jan 2018 13 11:03

Doação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções (Avaliem)

Mensagem não lida por Auto Excluído (ID:19989) » Sáb 13 Jan, 2018 11:03

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema“Doação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Texto I
No Brasil, [segundo o Ministério da Saúde], 1,8% da população doa sangue, número que está dentro dos parâmetros, de pelo menos 1%. A taxa, entretanto, está longe da meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 3% da população doadora.
[...]
Apenas uma doação de sangue pode beneficiar até quatro pessoas. No Brasil, ao ano, cerca de 3,5 milhões de pessoas realizam transfusões de sangue. No total, existem no país 27 hemocentros e 500 serviços de coleta.
Doadores voluntários
De acordo com relatório divulgado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), menos da metade dos doadores de sangue na América Latina e no Caribe são voluntários. A porcentagem de doadores voluntários de sangue cresceu de 38,5% para 44,1% entre 2013 e 2015 na região, mas ainda está longe de atingir o nível de 100% recomendado pela OMS.
Em alguns países, há a doação remunerada, além daquelas doações por reposição, quando o doador faz a doação em nome de algum paciente. No Brasil, não existe doação remunerada. Em 2015, 61,25% das doações foram voluntárias e 38,17% foram para reposição.


Texto II
Especialistas apontam a falta de conscientização da população como um dos principais limitadores para o aumento da doação de sangue no Brasil. Eles defendem que campanhas de incentivo à doação sejam feitas desde os primeiros anos de vida e que o assunto seja discutido nas escolas para reverter o atual cenário.
"O Brasil não se prepara para captar o doador desde criança. Sem essa política, não construímos o doador do futuro. É preciso formarmos doadores com responsabilidade social real", opina Yêda Maia de Albuquerque, presidente do Hemope (Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco), o principal do Nordeste brasileiro.
Yêda queixa-se da falta de doadores voluntários, ou seja, aqueles que doam frequentemente sem se importar com quem vai receber o sangue.
"Tenho muita doação de reposição (pessoas que doam para parentes e familiares em caso de urgência), o que não é ideal. Já o doador voluntário aumenta a qualidade do produto que a gente oferece, pois conseguimos monitorá-lo", acrescenta.
Para Tadeu, da Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto, o entendimento de que a doação de sangue seja um ato "social e contínuo" ainda não está totalmente presente na mentalidade do brasileiro.
"É preciso um esforço educacional em escolas e por meio de campanhas públicas para garantir que as pessoas entendam a necessidade e se disponham a doar sangue regularmente".





É incontrovertível que a doação de sangue seja de extrema importância para o Brasil e para o mundo,tanto ao microcontexto(de quem necessita da
doação)quanto ao macrocontexto(o reflexo da perspectiva,compreensão,empatia e conscientização emitido pela população).Não obstante,o que se vê majoritariamente no Brasil são doações feitas para parentes e familiares em casos de urgência,sendo eles representados por 38% do total de toda doação voluntária feita em território nacional,sendo,portanto,uma visão explícita e áspera da desimportância atribuída à doação de sangue pelos brasileiros.
A partir da idéia de que a doação de sangue seja um ato social e contínuo,conclui-se que o número de doações(chegando a 1,2% abaixo do recomendado pela OMS) no que à tange,não seja um problema recente.Com a histórica omissão de doações voluntárias,tem-se,além da infeliz desgraça do paciente que a necessita,uma população ingênua,ignorante e totalmente desempatizada,nos levando ao retrocesso social,cultural e humano.
Desse modo,o revés,devido aos seguintes fatores,está longe de apresentar um desenlaçe.Devido às poucas e fracas campanhas e propagandas de antevisão compreendidas ao Governo Federal e ao Ministério das Comunicações,faz com que as estatísticas opostas cresçam ainda mais,além,também,do inexistente prévio ensino conscientizador das escolas.
De modo exposto,o problema carece ser solucionado,mas que pode ser superado.De maneira análoga ao seguinte pensamento de Martin Luther.K:''Toda hora é hora de fazer o que é certo",podemos,a partir daí,desenvolver e revolucionar toda uma forma de pensamento-através de uma união simbiótica entre o Ministério do Desenvolvimento Social,do Ministério das Comunicações e do Governo Federal,podem ser feitas eficientes campanhas e propagandas de antevisão que,de certa forma,leve o público a reconhecer a verdadeira aflição de quem precisa da doação de sangue,encorajando a doação;além de um maior investimento da receita federal no setor da saúde,ampliando o número de hemocentros e de bancos de doações,consequentemente suportanto um maior número de doações,e também a atuação e supervisão veemente do Ministério da Educação nas escolas,para que haja uma educação antecipada na vida do cidadão em relação à conscientização da doação de sangue.




Avatar do usuário
PedroCosta
2 - Nerd
Mensagens: 178
Registrado em: Ter 02 Jan, 2018 19:21
Última visita: 08-07-19
Agradeceu: 205
Agradeceram: 104
Jan 2018 13 12:55

Re: Doação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções (Avaliem)

Mensagem não lida por PedroCosta » Sáb 13 Jan, 2018 12:55

Escrever com base nos textos motivadores é excelente porque trabalha o seu raciocínio já para o dia da prova. Mas estudar antes de escrever pode ser um atitude interessante para adquirir bagagem cultural. Por qual motivo digo isso? Veja que você citou o Ministério das Comunicações. O Ministério das Comunicações ERA responsável principalmente para "regular os serviços de radiodifusão, serviços postais, de telecomunicações e suas entidades vinculadas, bem como gerenciar as políticas nacionais em áreas correlatas como a da inclusão digital". Além de não ser o Ministério adequado para realizar propagandas e campanhas de saúde, o antigo MC foi anexado ao Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação. Note então que você está pedindo que um Ministério que nem existe mais faça propagandas e campanhas de saúde que não é de sua competência.
Vejo também que você não explorou bem os textos motivadores. Você tem dados tão importantes como "Em alguns países, há a doação remunerada, além daquelas doações por reposição, quando o doador faz a doação em nome de algum paciente. No Brasil, não existe doação remunerada. Em 2015, 61,25% das doações foram voluntárias e 38,17% foram para reposição" que nem são citados como exemplos.
Outro problema que você nota está na citação. É muito legal citar pessoas de nome forte como Martin Luther King, mas você acha que o caso é mesmo necessário para citá-lo? Veja como ficaria mais forte em sua conclusão citar ou parafrasear a Yêda: "O Brasil não se prepara para captar o doador desde criança. Sem essa política, não construímos o doador do futuro. É preciso formarmos doadores com responsabilidade social real". Citar a Yêda que é presidente do Hemope (Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco) é uma citação de autoridade. Martin Luther King é bom, mas não é uma autoridade no campo.
Considere o que eu disse uma sugestão, mano. Sou um estudante como você e não sou especialista de nada. Veja que eu nem falei dos erros gramaticais que é uma área que sou bem ruim. Vou deixar como dica as aulas de redação do canal Percurso*.
*Tinha dois vídeos que eram muitos bons de redação, mas eles tornaram privados. O jeito é tentar extrair das outras aulas.



"Se vai tentar, vá até o fim.
Caso contrário, nem comece.
Se vai tentar, vá até o fim.
Pode perder namoradas, esposas, parentes, empregos e talvez até a cabeça.
Vá até o fim."
Charles Bukowski

Autor do Tópico
Auto Excluído (ID:19989)
5 - Mestre
Última visita: 31-12-69
Jan 2018 13 13:09

Re: Doação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções (Avaliem)

Mensagem não lida por Auto Excluído (ID:19989) » Sáb 13 Jan, 2018 13:09

PedroCosta,obrigado pela avaliação,realmente não sabia desse fato sobre o Ministério das Comunicações.Note que em alguns momentos eu faço citações dos dados dos textos motivadores,mas ainda concordo com você que eu me desviei um pouco de dados importantes como: o Brasil sendo o unido País onde não há remuneração pela doação,porém,em relação aos dados de 38% e 62% eu não concordo,pois eles foram citados.Em relação à citação eu também concordo,muito obrigado pela avaliação,com certeza me ajudou muito,vou assistar às aulas do canal que me passou,obrigado!
Última edição: Auto Excluído (ID:19989) (Sáb 13 Jan, 2018 13:36). Total de 1 vez.



Autor do Tópico
Auto Excluído (ID:19989)
5 - Mestre
Última visita: 31-12-69
Jan 2018 15 11:12

Re: Doação de sangue no Brasil: obstáculos e soluções (Avaliem)

Mensagem não lida por Auto Excluído (ID:19989) » Seg 15 Jan, 2018 11:12

2pac escreveu:
Sáb 13 Jan, 2018 13:09
.. à citação eu também
À citação filosófica*




Responder
  • Tópicos Semelhantes
    Respostas
    Exibições
    Última msg

Voltar para “Redação”