LiteraturaProsa ultraromântica Tópico resolvido

Moderador: [ Moderadores TTB ]

Avatar do usuário
Autor do Tópico
IGFX
Veterano
Mensagens: 268
Registrado em: Qua 29 Mar, 2017 00:50
Última visita: 14-03-19
Agradeceu: 167
Agradeceram: 13
Set 2018 05 23:44

Prosa ultraromântica

Mensagem não lida por IGFX » Qua 05 Set, 2018 23:44

Quando dei acordo de mim, estava num lugar escuro: as estrelas passavam seus raios brancos entre as vidraças de um templo. As luzes de quatro círios batiam num caixão entreaberto. Abri-o. Era o de uma moça. Aquele branco da mortalha, as grinaldas da morte na fronte dela, naquela tez lívida e embaçada, o vidrento dos olhos mal-apertados… Era uma defunta! E aqueles traços todos me lembraram uma ideia perdida… Era o anjo do cemitério! Cerrei as portas da igreja que, ignoro porque, eu achara abertas. Tomei o cadáver nos meus braços para fora do caixão. Pesava como chumbo. Tomei-a no colo. Preguei-lhe mil beijos nos lábios. Ela era bela assim. Rasguei-lhe o sudário, despi-lhe o véu e a capela, como noivo os despe à noiva. Era mesmo uma estátua: tão branca era ela. A luz dos tocheiros dava-lhe aquela palidez de âmbar que lustra os mármores antigos.

O fragmento retirado da obra Noite na Taverna, do escritor Álvares de Azevedo, distingue-se no Romantismo brasileiro como um exemplar da prosa ultraromântica, porque apresenta um (a)

a) conflito entre dualidades, representado na figura do anjo e na do cemitério.
b) linguagem concisa, com emprego escasso de adjetivos e advérbios.
c) narrador retratando liricamente uma cena fúnebre e sombria.
d) personagem feminina descrita com contornos idealizados.
e) privilégio do fluxo de consciência de um narrador subjetivo.
Resposta

C




Avatar do usuário
Pãodamontanha
sênior
Mensagens: 25
Registrado em: Qui 10 Mar, 2016 19:51
Última visita: 16-07-19
Agradeceram: 3
Dez 2018 13 20:57

Re: Prosa ultraromântica

Mensagem não lida por Pãodamontanha » Qui 13 Dez, 2018 20:57

Caixão entreaberto Lembremos da cena de um velório.
Era uma defunta Lembremos do corpo dentro do caixão.
Anjo do cemitério,cadáver,pesada como chumbo,tomei a no colo, sudário (despi o veu) e a capela, estátua, tão branca quanto o dela.
Tudo isso mostra a morte e a decomposição do corpo. O corpo fica pesado e rígido,pelo vigor mortis,o corpo todo começa a se contrair. Com o sangue não passa mais,o corpo fica pálido.




Responder

Voltar para “Literatura”