Evolução, Ecologia e Origem da VidaRemoção de corais. MANDIC Tópico resolvido

Moderador: [ Moderadores TTB ]

Avatar do usuário
Autor do Tópico
beelam
sênior
Mensagens: 31
Registrado em: Seg 29 Abr, 2019 14:27
Última visita: 12-06-19
Agradeceu: 21
Agradeceram: 6
Jun 2019 10 10:11

Remoção de corais. MANDIC

Mensagem não lida por beelam » Seg 10 Jun, 2019 10:11

TEXTO I
A 45 km da costa de São Paulo, o arquipélago de Alcatrazes abriga a maior biomassa da costa brasileira.
Apesar de poderosa, essa biomassa é extremamente delicada, e é debaixo da calmaria da água que uma ameaça
avança silenciosamente. O coral-sol, conhecido por devastar a biodiversidade dos locais que invade, chegou ao
arquipélago e vem se multiplicando em alta velocidade. Além da surpresa em relação à intensidade da invasão, outra
novidade foi a descoberta da presença de mais um tipo de coral-sol. Acreditava-se que a única espécie ali existente
era a T. tagusensis, originária das ilhas Galápagos, mas a T. coccinea, oriunda das Ilhas Fiji, também foi encontrada.
(Texto adaptado de: https://revistagalileu.globo.com/Revist ... idade.html. Acesso em: 30 abr 2019.)
TEXTO II
O coral-sol é um organismo exótico invasor que chegou ao Brasil na década de 1980 à Bacia de CamposRJ. Atualmente, é uma ameaça aos ecossistemas de mais seis estados: CE, AL, SE, BA, SP e SC. O coral-sol é
classificado no relatório Global Biodiversity como o organismo de maior impacto negativo na biodiversidade local.
Existem diversos fatores que contribuem para que ele seja tão perigoso. No seu habitat natural, o coral possui
centenas de concorrentes que disputam espaço e alimento, enquanto a costa brasileira possui apenas 18. Aqui, o
coral-sol não possui predadores e encontra um amplo espaço para se reproduzir. Além da falta de concorrentes,
libera compostos alelopáticos para se proteger e ganhar mais espaço. O coral-sol apresenta uma série de
características vantajosas: crescimento rápido, maturidade reprodutiva precoce, elevada capacidade regenerativa e
capacidade de produzir larvas. Esses fatores fazem com que outros tipos de corais percam espaço em seu próprio
ambiente natural, como é o caso do coral-cérebro.


Várias estratégias têm sido consideradas para tentar reduzir as populações de coral-sol na costa brasileira. Uma forma viável
e relativamente eficaz para esse controle seria a(o)
A) uso de defensivos químicos na faixa de zona costeira invadida.
B) remoção mecânica com uso de ferramentas como martelo e talhadeira.
C) introdução de organismos concorrentes ou predadores naturais do invasor.
D) drenagem no entorno dos costões em que há maior crescimento das colônias.
E) construção de barreiras mecânicas em torno dos costões rochosos das áreas de infestação.


Marquei letra C, mas no gabarito da letra B. No texto fiz que os corais tem alta capacidade de se regenerar, então a remoção mecânica com martelo não pioraria a situação?




Avatar do usuário
Planck
5 - Mestre
Mensagens: 1067
Registrado em: Sex 15 Fev, 2019 21:59
Última visita: 24-06-19
Agradeceu: 121
Agradeceram: 634
Jun 2019 10 15:56

Re: Remoção de corais. MANDIC

Mensagem não lida por Planck » Seg 10 Jun, 2019 15:56

Olá beelam,

Acredito que não possa ser a alternativa [tex3]\text{c )}[/tex3] por conta de uma incongruência com o texto:

beelam escreveu:
Seg 10 Jun, 2019 10:11
Aqui, o
coral-sol não possui predadores e encontra um amplo espaço para se reproduzir.

Se introduzirmos os predadores naturais do coral-sol, um problema seria resolvido, mas outro seria criado. Por outro lado, uma forma eficaz, de fato, é a remoção mecânica. Apesar da elevada capacidade regenerativa, ela não é instantânea. Em um artigo sobre o coral-sol, encontrei o seguinte trecho:

Apenas algumas estratégias de controle e/ou erradicação do coral-sol estão documentadas. A principal estratégia utilizada atualmente no Brasil se refere ao uso de mergulhadores e pesquisadores munidos de martelos, talhadeiras e sacolas que recolhem as colônias e fazem anotações sobre os diferentes locais em que o coral foi encontrado. Uma das críticas a essa técnica é descrita no trabalho de Coutinho et al., (2013), onde os autores levantam a hipótese dessa técnica provocar a liberação de larvas e fragmentos que poderiam causar maior dispersão do coral-sol. Silva et al. (2014) monitoraram a distribuição geográfica do coral na Baía de Ilha Grande e, apesar da expansão da área ocupada pelo coral-sol, encontraram um caso de diminuição da população na Ilha dos Macacos, onde tem sido implementado um estudo-piloto de controle manual do coral-sol. O monitoramento contínuo, a periodicidade do manejo e a capacitação de profissionais são fundamentais para o controle desses organismos. Por outro lado, o processo não atinge eficácia na remoção de colônias em locais inacessíveis, como fendas nas rochas, requerendo o aprimoramento das técnicas existentes, bem como o desenvolvimento de novas técnicas (Workshop coral-sol – Brasília – 21 e 22 de novembro de 2016 – Anexo I).


Referências:

GRUPO DE TRABALHO CORAL-SOL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Plano Setorial para os Recursos do Mar. Disponível em <https://www.marinha.mil.br/secirm/sites ... nalWeb.pdf>. Acesso em 10 de Junho de 2019.




Avatar do usuário
Autor do Tópico
beelam
sênior
Mensagens: 31
Registrado em: Seg 29 Abr, 2019 14:27
Última visita: 12-06-19
Agradeceu: 21
Agradeceram: 6
Jun 2019 10 16:09

Re: Remoção de corais. MANDIC

Mensagem não lida por beelam » Seg 10 Jun, 2019 16:09

Achei a questão confusa.. mas com o texto de apoio que você inseriu eu entendi. Muito obrigada



Avatar do usuário
Planck
5 - Mestre
Mensagens: 1067
Registrado em: Sex 15 Fev, 2019 21:59
Última visita: 24-06-19
Agradeceu: 121
Agradeceram: 634
Jun 2019 10 16:16

Re: Remoção de corais. MANDIC

Mensagem não lida por Planck » Seg 10 Jun, 2019 16:16

beelam escreveu:
Seg 10 Jun, 2019 16:09
Achei a questão confusa.. mas com o texto de apoio que você inseriu eu entendi. Muito obrigada
Que isso, disponha!




Responder
  • Tópicos Semelhantes
    Respostas
    Exibições
    Última msg

Voltar para “Evolução, Ecologia e Origem da Vida”